Os que morrem de morte viooleta…

O Céu ficou cheio e quem entrava nele era só os de morte viiolenta: Chegou então um homem e pediu ao S. Pedro se podia entrar.
– Mas diz lá como morreste tu Damasio?
– Olhe, cheguei a casa e reparei que a minha mulher estava toda a suar e um pouco assustada e eu vi logo que ela estava a encornar-me. Procurei o gajo por todo lado e acabei por encontra-lo pendurado todo nu na varanda, peguei num martelo, dei-lhe nos dedos e estatelou-se todo no chão, não satisfeito dei-lhe com o frigorifico em cima, depois com o desgosto peguei numa arma e pronto… suicidei-me.
– Está bem, podes entrar. Próximos! – disse o S. Pedro.
E entrou o seguinte dizendo:

– Olhe, eu estava na minha casa em Cascais a tomar banho quando de repente entrou um abelha, eu aflito a fugir tropecei na toalha, cai da varanda, mas ainda me agarrei no parapeito do vizinho de baixo, mas em vez de ajudar, foi buscar um martelo, deu-me nos dedos e cai, mas nem fiquei muito mal, mas depois olhei para cima e vi um frigorifico a cair e pumba, em cima de mim.
– Está bem, está bem, isso é uma morte violeenta, podes entrar. E tu, morreste de morte violenta? – perguntou S. Pedro para o próximo.
– Então não?, Já viu o que é cair do 12º Andar dentro dum frigorifico.